Orissa - Índia - Como estão nossos irmãos?


Há notícias boas e ruins que saem de Orissa, na Índia, um ano após os radicais hindus entrarem numa fúria sangrenta que deixou 50.000 Cristãos foragidos nas florestas do estado. Como eles fugiram, os extremistas religiosos matavam aqueles que puderam captar, e em seguida, destruírem casas e queimarem igrejas cristãs.

A má notícia, segundo K. P. Yohannan, presidente do Gospel for Asia é que um ano depois, apesar das garantias do governo de ajudar e de repetidos apelos para a reconciliação e de justiça, 20.000 cristãos fiéis ainda vivem em campos de refugiados, pois eles temem por suas vidas caso retornem às aldeias de origem.


"Em muitas aldeias, os radicais têm advertido os cristãos que, se eles retornarem, eles devem se converter ao hinduísmo ou, como dizem, sofrer as consequências", relata o fundador da GFA. "E para a maioria dos crentes, eles não têm nada para onde voltar, suas casas e tudo o que tinham foram destruídos".

Mas é aí que algumas boas notícias aparecem.

"Apesar de algumas tensões subjacentes ao restante da área, o Gospel for Asia já está em processo de reconstrução de casas", disse Dr. Yohannan. "Crentes caridosos de todo o mundo fizeram doações suficientes para financiar 240 casas, e estamos empenhados em construir em um bairro 1000 casas para substituir aquelas que foram destruídas. Nós já começamos a reconstrução, e estamos gratos ao Senhor por Ele ter permitdo iniciar esta grande obra! "

Missionários nativos mantidos pela GFA e outros crentes continuam a ministrar entre os sobreviventes que ainda vivem em campos de refugiados, fornecendo alimento e vestuário, mas mais importante, orar com as pessoas e incentivá-las como irmãos e irmãs em Cristo.
Outra brilhante notícia foi que em 23 de agosto, um ano após a data do evento que foi usado como desculpa para a violência, não ocorreu nenhuma manifestação, passou pacificamente.
Os cristãos de Orissa, em especial nos 14 municípios atingidos pela violência, estavam apreensivos com os planos dos hindus comemorarem publicamente o aniversário de morte de Swami Laxmanananda Saraswati o que acabaria levando a outro massacre contra os crentes. Foi o seu assassinato por rebeldes maoístas, que provocou as mortes e destruição. Swami foi um líder de um violento grupo hindu nacionalista anti-cristão, seus seguidores espalharam as chamas do ódio contra os cristãos, mesmo sabendo que os maoístas terem o crédito para o assassinato.

"Obrigado por orar por Orissa", disse um líder da GFA local. "Como resposta à oração, não houve incidentes indesejáveis em Orissa no aniversário da morte de Swami Laxmanananda Saraswati. O governo, especialmente a administração do distrito, tomou medidas de precaução para manter a paz."
Dr. Yohannan recorda que desde as eleições do ano passado, o partido político aliado com os extremistas hindus perdeu o poder em ambos os governos, estadual e nacional.
"Oramos para que o novo governo tenha uma abordagem diferente para a violência contra os cristãos", disse ele. "Há sinais de esperança que as antigas formas de ignorar estas situações passarão. Queremos apoiar plenamente os esforços do governo para restaurar a paz entre as religiões, e permitir a verdadeira liberdade de religião para todos".
Mas enquanto que a violência em massa foi limitada em relação ao ano passado, a perseguição dos cristãos continua no local.
Apenas alguns dias antes do aniversário da violência do ano passado, hindus radicais atacaram um grupo de 17 missionários mantidos pela GFA em Orissa. Cinco conseguiram escapar, mas nove homens e três mulheres foram perseguidos pelos militantes e levados para a delegacia.
Os radicais que atacaram os missionários foram liberados, mas os cristãos foram detidos e posteriormente liberados pela polícia. A polícia quer que eles não compartilhem o Evangelho durante dois meses "para manter a paz", mas os missionários se recusaram.
"Estes incidentes são muito comuns", disse Dr. Yohannan. "Missionários são espancados quase diariamente, e muitas vezes levado para a delegacia onde eles são presos e aqueles que lhes bateram ficam livres! E isso está acontecendo, não só em Orissa, mas em toda a Ásia do Sul".


Dr. Yohannan pede oração contínua para esses missionários, bem como para os fiéis que continuam a sofrer em Orissa, até um ano após a violência em massa.
Além de suas orações, nós queremos que mais pessoas se envolvam no trabalho de reconstrução das casas destruídas em Orissa", disse ele. "E também estamos buscando recursos para que possamos reparar e reconstruir igrejas que foram queimadas pelos radicais.

"Estamos orando para um novo dia em Orissa e em toda a Índia, e pedimos que você se junte a nós para ajudar a tornar esse dia uma realidade"
.

Fonte: Gospel for Asia. Original em inglês, aqui.

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget