"Coberta d'alma"

É uma tradição dos antigos ainda praticada no litoral içarense: Lagoa dos Esteves, Urussanga Velha, Pedreiras, Barra Velha, Praia do Rincão. Consiste numa cerimônia para quem morre, no sétimo dia de seu falecimento.
Quando morre uma pessoa, a família procura alguém da idade próxima do morto e
convidam-na para fazer a “cobertura d’alma”.
Levam o convidado numa loja, compram todas as peças de roupa necessárias para inclusive peças íntimas.
No sétimo dia a tardinha todos se reúnem na casa do falecido. Enquanto os demais familiares esperam na sala, o convidado para cobrir a alma entra num quarto acompanhado de um familiar, que vai entregando-lhe peça por peça da roupa dizendo alto para todos ouvirem:

- Veste a camisa (cita o nome do morto)

- Veste a calça (cita o nome do morto)

Tudo em voz alta para ser ouvido na sala.

Já vestido, o convidado entra na sala, cumprimenta e abençoa os presentes.
Se ele representa o pai que morreu, filhos e netos pedem-lhe a benção.
Se foi uma criança, os mais velhos o abençoam.
Se houver missa de sétimo dia todos vão à Igreja.

Caso contrário, fazem algumas orações e se sentam para jantar.

A comida consiste nos pratos preferidos da pessoa morta, servida em doses generosas ao convidado, agradado por todos como se fosse realmente a pessoa morta que estivesse ali.

Se tiver predileção por uma fruta, o convidado deve come-la.

Se fumar, o convidado deve fumar.

Terminado o jantar, um familiar de mais autoridade leva o que veste a coberta d’alma até a porta e olhando para o horizonte proclama:

- Fulano (cita o nome do morto) tu já recebeste a roupa nova

- Já recebeste o jantar

- Já te demos de comer

- Já te de beber

- Já rezamos por ti.

- Já demos tudo o que tínhamos de dar.

- Vai com Deus, descansa em paz e deixa-nos em paz

Durante toda a cerimônia é chamado pelo nome do morto.

A cerimônia encerra-se.
Estabelece-se uma forte relação entre a família e o convidado,
que passa a ser moralmente da família.

Se o pai morreu, os filhos consideram-se filhos de quem vestiu a alma, visitam-se mutuamente, ouvindo inclusive as opiniões um do outro sobre os assuntos familiares.

Segundo algumas pessoas, a alma do falecido permanece na terra e na casa até a cerimônia.

A alma fica perambulando, vagando pelos arredores até a coberta d’alma ser feita.

Se a cerimônia não for feita a alma ficará vagando, não encontra a paz nem deixa ninguém em paz.

É praticada por várias famílias brancas e negras, ricas e pobres do litoral de Içara.

Sempre me interessei por este ritual. Tinha certeza que não era de origem açoriana. Imaginei que pudesse ter sido trazido pelos escravos islamizados.

Mas em Porto Alegre tem um estudioso que afirma ser este ritual de origem judaica trazido para o Brasil pelos cristãos novos que não podiam praticar o judaísmo e tinham sido batizados em Portugal para não serem queimados na fogueira da Inquisição.

Derlei Catarina



Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar,
pois me é imposta essa obrigação;
e ai de mim, se não anunciar o evangelho!

1 Coríntios 9:16


Assista os videos e tire suas próprias conclusões.

1ªParte


2ª parte

1 comentários:

Anônimo disse...

Cara Tania

Esse costume da Coberta D'alma é mesmo de origem cristã-nova trazida pelos açorianos. Tenho conhecimento que nas cidades de colonização açoriana de Santa Catarina e Rio Grande do Sul ainda é praticado. Gostaria de entrar em contato com Derlei Catarina vc tem o e-mail dele? Sou de Porto Alegre e pesquiso este e outros costumes de origem judaica entre os açorianos e gostaria de trocar idéias com ele. Desde já meu muito obrigado. Um abraço. Sérgio Mota e-mail: sermosilva@hotmail.com

13 julho, 2010
Ocorreu um erro neste gadget