Era uma vez um adolescente chamado Jack



Era uma vez um adolescente chamado Jack.

Ele era alegre, dinâmico, e estava todos os domingos na Escola Dominical.
Certo dia, querendo a sua participação, o professor lhe pediu gentilmente: Jack, você poderia ler para nós o versículo oito? Jack ficou vermelho, pois ele quase nunca trazia a Bíblia, tinha vergonha dela, pois achava que não ficava bem para sua imagem carregar um livro daquele tamanho, ainda mais de capa preta!

Rapidamente, ele pensou por um instante antes de responder: “Se ao menos eu tivesse uma Bíblia Teen, daquelas coloridas, mas de tamanho discreto, bem a cara do adolescente, até que daria pra eu trazer... Mas e os caras do bairro, o que diriam se me vissem passar com a Bíblia na mão?”

Seu pensamento demorou poucos segundos, mas parecia uma eternidade, até que foi interrompido, era a voz do professor: “Ok, todos já encontraram, pode ler agora Jack!”.

“Deixa outro ler, eu não trouxe a minha”, respondeu o adolescente envergonhado

“Desde quando não traz mais a Bíblia , Jack?”, insistiu o professor.

“Desde que cresci, respondeu. E então completou: “Trazer Bíblia é coisa de velho.”
Infelizmente inúmeros adolescentes são como Jack. Acham inadequado sair por aí, carregando uma Bíblia. Pensam que seria melhor carregar um skate, um walkman, um par de patins, ou um conjunto de jogos de videogame. Bíblia? Na opinião deles, a Bíblia não combina com a adolescência. Existem alguns que arriscam contestar: “Não preciso viver com a Bíblia na mão, pois ela está em meu coração!” Como se fosse possível tê-la no coração e ao mesmo tempo ter vergonha de ser visto com ela!

A história de Jack nos ensina algumas verdades e nos alerta para o perigo de negligenciarmos as coisas de Deus. Vamos aprender com isso:

Em primeiro lugar, Jack era um cara legal, mas queria manter uma imagem diante dos colegas . Isso é perigoso, pois o desejo de termos a aprovação dos amigos descrentes, sem dúvida, nos levará a praticarmos as coisas que eles praticam, e fracassaremos em nossa vida espiritual por querer agradar aos homens e não a Deus.
Ainda, Jack tinha medo de ser considerado careta pelos seus amigos, mas não tinha medo entristecer o coração de Deus.

Adolescente, tome como exemplo a José. Ele, provavelmente com 17 anos, foi seduzido pela linda mulher de Potifar. Estavam sozinhos na casa. Se ele fugisse, depois seria criticado pelos conhecidos da sua idade, seria chamado de frouxo, de careta, mas ele preferiu não entristecer o coração de Deus, a quem ele amava verdadeiramente, por isso ele indagou: “... Cometeria eu tamanha maldade e pecaria contra Deus?” (Gen 39:9). 
Por pensar antes de agir e ter um compromisso sério com Deus, ele foi um jovem vitorioso.

Em terceiro lugar, Jack achava que a Bíblia não combinava com o seu estilo de vida. Isso é assustador!

Só há um estilo de vida que não combina com a Bíblia: é uma vida ocupada com o mundo, com o pecado, com a superficialidade, com a hipocrisia. De fato, uma vida assim não combina com o Livro Santo. Provavelmente, Jack não gostava de andar com a Bíblia, para ficar livre para uma “esticada” depois da reunião. 
Alerta!! Se os lugares que eu freqüento não têm nada a ver com a presença da Bíblia ou não podem esperar para que eu vá em casa e a guarde adequadamente, certamente estou freqüentando o lugar errado.
Aqui cabe uma citação bastante conhecida, atribuída a Moody: “Ou este livro o afastará do pecado, ou o pecado o afastará deste livro.”

E, finalmente, Jack estava distraído, alienado, no mundo da lua, enquanto a Bíblia era ensinada. 
Não levar a Bíblia dificulta a memorização, a comprovação, a localização e a familiarização com os seus ensinos, tornando-nos alvo fácil do inimigo, o qual conhece-a e a usa para matar, roubar e destruir nossas vidas (João 10:10). O adversário faz isso, através das filosofias mundanas, das heresias, as quais facilmente enganam e confundem os que não conhecem a Palavra de Deus. 
Lembremos que, quando o Senhor Jesus foi tentado no deserto, ele respondeu a Satanás: “Está escrito!”, e teve vitória.
Sem as Escrituras estamos desarmados contra o inimigo.

Ao concluir, vai um conselho aos adolescentes: A Bíblia é o livro mais fascinante do mundo. Contém ciência, música, poesia, ditados populares, história, aventuras, viagens, e manifestações fantásticas do poder de Deus na vida das pessoas, transformando a história real de suas vidas. Além disso, ela é atual, aplicável, moderna, e transforma vidas até hoje. Ela deve ser amada, lida, estudada, ouvida, valorizada como um tesouro de grande valor. E mais, o maior homem que já viveu neste mundo pode ser conhecido através desse livro: Jesus Cristo, o Filho de Deus. Se você quer mesmo imitar os passos desse homem maravilhoso, comece hoje a fazer da Bíblia uma companheira inseparável e diga como o salmista: “Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, e luz para os meus caminhos..., amo os teus mandamentos mais do que o ouro...” (Salmo 119:105,127). 

Portanto, seja um adolescente espiritualmente saudável, sem vergonha da Bíblia! 

E você será uma bênção!

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget