O PERIGO DA JUDAIZAÇÃO DA IGREJA – Igrejas evangélicas estão adotando costumes judaicos



Tem sido comum em nossos dias, algumas igrejas evangélicas adotarem práticas descritas no Antigo Testamento, comuns no judaísmo e não no cristianismo. É uma espécie de judaização da igreja. Pessoas não judias estão vivendo como se as fossem. Esta tendência iniciou-se no período da igreja primitiva quando alguns judeus convertidos orientavam que todos os demais, inclusive os gentios convertidos, observassem parte da legislação do judaísmo, a fim de se completar neles a obra da salvação. Os judeus convertidos tinham muita dificuldade em descansar na obra vicária de Jesus a sua salvação completa.


Em Atos 15 é citada a dissensão na igreja por causa da forte pressão exercida pelo grande número de convertidos judeus sobre os novos crentes, para que estes se circuncidassem a fim de serem salvos (v. 1). Tal ensino não prosperou devido a oposição de alguns apóstolos, especialmente de Tiago (v. 13). No seu julgamento os gentios convertidos não deviam ser "perturbados" (v. 19).

Na sua Epístola aos Gálatas, Paulo nos informa que até mesmo o Apóstolo Pedro se deixou dissimular temendo um grupo de judeus convertidos quando este comia com os gentios, também convertidos. Até mesmo Barnabé estava sendo influenciado. A reação de Paulo foi enérgica. O Apóstolo repreendeu a Pedro, afirmando que o homem não é justificado por obra da lei, e, sim, mediante a fé em Cristo Jesus (Gl 2:11-14).

Paulo volta a falar desta tentativa de judaização da igreja em Colossenses
. Parece que havia ali uma espécie de "Heresia Colossense" que tentava anular a liberdade cristã, sujeitando-a a rituais que envolviam comida, bebida, lua nova e guarda do sábado (2:16-17).

Nas cartas às igrejas, em Apocalipse, o Senhor Jesus faz referência a uma "Sinagoga de Satanás", infiltrada na igreja de Filadélfia, cujos membros se declaravam judeus, mas não o eram e mentiam aos demais (Ap 3:9).

A igreja primitiva se viu livre da persuasão dos judaizantes apenas a partir do ano 70, quando o general romano Tito destruiu o templo e dispersou os judeus, inclusive os judeus cristãos. Os pais da igreja deixam de pregar nas sinagogas e o judaísmo deixa de ter influências na fé cristã. No Concílio de Nicéia, em 325 A. D, a igreja afirmou que não queria nenhum relacionamento comum com os judeus.

Hoje, quase 20 séculos depois do Concílio de Jerusalém (At 15) parece que a igreja voltou a sofrer da "Heresia dos Judaizantes". A diferença é que a pressão não é de fora para dentro, isto é, não vem dos judeus convertidos, mas é de dentro para fora. São líderes de igrejas evangélicas que estão resgatando práticas judaicas e as implantando-as. Vejamos algumas destas questões:


1 – A GUARDA DO SÁBADO

Um dos líderes evangélicos, bem conhecido declarou:
"Meu contato com Israel me mostrou várias coisas, como os dias proféticos, as alianças: seis dias trabalharás e ao sétimo descansarás. Êxodo 31 declara que o sábado é o sinal de uma aliança perpétua e da volta de Cristo." (Revista Eclésia).

Tal ensino contradiz o ensino neotestamentario do fim da Lei mosaica em Cristo Jesus (Rm 14.5, Cl 2.16, Ef 2.15, Gl 3.23-25). A circuncisão também foi declarada como uma aliança perpétua (Gn 17:10-14), nem por isso a igreja precisa praticá-la.

No N.T., nem sequer uma só vez, nos é ordenado guardar qualquer tipo de dia. Toda a lei moral e os outros 9 mandamentos são repetidos e novamente ordenados muitas vezes, mas não a guarda do sábado. O assunto do sábado é mencionado muitas vezes por Cristo e pelos escritores do N. T., mas jamais nos é ordenado.

Na Nova Aliança, não existe mandamento para guardar o sábado embora encontremos todos os outros do decálogo, (Mt 19:18-22).

No caso do jovem rico, Jesus enumerou a maioria dos mandamentos, mas deixou de fora o mandamento sobre o sábado.

O apóstolo Paulo era apóstolo dos gentios, mas nunca ensinou ninguém a ficar guardando dias. Muito pelo contrário, ele afirmou que se alguém ficar guardando dias o evangelho da graça é inútil para essa pessoa: "Guardais dias, e meses, e tempos, e anos. Temo a vosso respeito não haja eu trabalhado em vão entre vós" (Gl 4:10-11).

O "Concílio de Jerusalém" reconheceu e ensinou que os crentes não precisam guardar a lei cerimonial: (At15:28-29).

A Bíblia declara que o "Sabbath" é lei cerimonial, crentes em Cristo não devem guardá-lo religiosamente, (Cl 2:16-17; Gl 4:9-11).


2 – OS SACERDOSTES LETIVAS

Tem se observado em igrejas evangélicas a denominação de "levita" aos que participam ativamente do louvor. Em alguns casos a nomenclatura é apenas simbólica, como uma forma de reconhecer um trabalho feito ao Senhor.

É bom frisar, no entanto, que na sua essência o uso de terminologia não é correto. O ministério sacerdotal, e aqui se inclui os levitas, se encerrou no Antigo Testamento. Todo ministério sacerdotal foi substituído integralmente por Jesus. O escritor aos Hebreus afirma que Jesus é sacerdote para sempre (5: 6). Ele é o nosso grande sacerdote no céu (10:21). No Novo Testamento não existe mais a figura do "sacerdote" se referindo a homens, a não ser em 04 ocasiões onde ela aparece no plural (1 Pe 2:9; Ap 1:6; 5:10; 20:6), nestes casos se referindo à toda igreja, ao conjunto do povo de Deus, como sacerdotes do Senhor. É o que Martinho Lutero chamou de: O Sacerdócio Universal de Todos os Crentes. Na relação dos dons citados nas escrituras (Ef 4:11; 1 Pe 4:9-10; 1 Co 12:8-10; 28; Rm 12:6-8) não aparece o dom de "levita" e nem faz qualquer menção a ministérios sacerdotais.


3 – FESTA DO TABERNÁCULO E PÁSCOA

Em Levítico 23: 34-37 há uma ordenança para os filhos de Israel, a de celebrar a festa do Tabernáculo. Era uma festa para ser celebrada durante 07 dias onde seriam oferecidos ao Senhor, ofertas queimadas, holocausto, oferta de manjares, sacrifícios e libações.

Como pode o cristianismo resgatar uma festa que era como sombra do que haveria de vir (Cl 2:17; Hb 8:5; 10:1)? Toda a lei e cerimonial do Antigo Testamento se cumpriram plenamente em Cristo. O fim da lei é Cristo (Rm 10:4).


Os holocaustos e ofertas na Festa do Tabernáculo cessaram quando o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo, morreu em nosso lugar (Jo 1:29). Não precisamos mais dos dias santos e cerimônias judaicas (Cl 2:16; Gl 2:9-11). Nem mesmo os judeus precisam mais destas celebrações, visto que elas simplesmente apontavam para o que viria, ou seja, o Senhor Jesus e o seu sacrifício vicário.

A Festa do Tabernáculo, não é mais uma celebração, nem um culto, não tem valor algum. Ela deve ser considerada como um "lixo litúrgico", conforme nos ensina o apóstolo Paulo. Ele guardava a lei de maneira irrepreensível até que conheceu a sublimidade de Cristo, e passou a considerar todas as coisas como "refugo", o que é lançado aos cães, lixo (Fl 3:8).

Semelhantemente devemos repensar a chamada "Páscoa Cristã". A cerimônia da Páscoa, instituída em Êxodo 12, celebrada pelos judeus como uma lembrança da libertação do cativeiro egípcio, tem seu fim em Cristo. Jesus é o nosso Cordeiro Pascal (1 Co 5:7). Nele o pai nos tirou do império das trevas e nos transportou para o seu reino (Cl 1:13).

O próprio Senhor Jesus, após celebrar a Páscoa, a substituiu pela Ceia e ordenou aos seus discípulos a segunda. Em Lucas 22:8 Ele ordena que os discípulos preparem a páscoa; no verso primeiro Ele lhes diz: Tenho desejado ansiosamente comer convosco esta páscoa, antes do meu sofrimento. No verso 20 Ele continua: Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado a favor, de vós. Em Mateus 26, a distinção entre a Páscoa e a Nova Aliança, simbolizada na ceia, é mais explícita. Nos versos 17 a 26 Ele celebra a páscoa com os seus, já no verso 23 se diz: a seguir tomou um cálice e, tendo dado graças, o deu aos discípulos dizendo: Bebei dele todos. A partir de agora a igreja celebra a ceia do Senhor e não a Páscoa. Quando Paulo se refere a este momento não há qualquer menção à Páscoa (1 Co 11:17-34). Em nenhum lugar em todo o Novo Testamento se faz qualquer menção a que a igreja celebre a páscoa.

É compreensível que nos dias em que o nosso calendário chama de "Páscoa", igrejas evangélicas aproveitem para evangelizar ou mesmo se lembrar da morte e ressurreição de Jesus, no entanto devemos ter claro em nossas mentes que a Páscoa terminou quando o nosso Cordeiro Pascal, Jesus, morreu por nós na cruz e nos libertou de nossos pecados e da maldição eterna (1Co 5:7; Cl 1:13; Gl 3:13).


4 – ATOS PROFÉTICOS

De vez em quando aparece nas igrejas propagandas fazendo alusão a Atos Proféticos; Conferência Profética; Palavra Profética. É a crença de que a partir de palavras, imposição das mãos, imprecações, há um direcionamento do mundo espiritual. É como se o céu fosse sujeito ao comando da terra. Pessoas com este erro teológico fazem uso de textos do Antigo Testamento, onde, por exemplo, os profetas falavam e algo acontecia: Moises orou e o mar se abriu; Josué orou e o rio Jordão se abriu; Elias orou e caiu fogo do céu; Eliseu orou e um animal matou os que o ridicularizavam. Baseados em textos assim os "profetas" da atualidade ordenam que cidades sejam salvas, que regiões sejam libertadas do império das trevas, e que um domínio espiritual de Deus se estabeleça.

É bom ver que não só a lei, mas também os profetas, tiveram o seu cumprimento em Cristo. Deus falou pelos profetas, mas hoje nos fala por Jesus (Hb 1:1-2). No Antigo Testamento existia o ministério profético, hoje existe o dom da profecia, que segundo o Apóstolo Paulo, o que profetiza fala aos homens (não a anjos ou a Deus), edificando, exortando e consolando (1 Co 14-3). Jesus ensinou que uma cidade deve ser ganha não com "Palavras Proféticas" mas com evangelização (Mt 28:18-20; Mc 16:15). Ele enviou os seus discípulos para entrarem nas casas (Lc 10:1-11) e não para fazerem "Declarações Proféticas" em ginásios de esportes, praças ou mesmo em púlpitos de igrejas.

Não podemos manipular o mundo espiritual. O Céu governa a terra (Mt 6:10). Sem Jesus não podemos fazer nada (Jo 15:5), "Atos proféticos" se assemelham muito a espiritismo que através de símbolos e palavras tentam governar forças espirituais. É muito mais "humanismo", que atribui ao homem valores especiais, do que "cristianismo", que apresenta o homem, ainda que convertido, como um desventurado pecador (Rm 7:13-25).


5 – CERIMÔNIA DE BÊNÇÃOS AOS FILHOS

Ainda poderíamos decorrer sobre outras formas de judaização da igreja, como por exemplo, "A Cerimônia de Bênçãos", onde o pai distingue o filho mais velho e o abençoa, dando a ele uma espécie "primogenitura espiritual". Nada mais judaico e menos cristão poderia ser feito. Se no Antigo Testamento era comum os filhos mais velhos herdarem as benções espirituais e materiais do pai, na igreja neotestamentaria isto não se vê. Em Cristo todos são iguais. Há para o povo de Deus um só corpo, um só Espírito, uma só esperança, um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e pai de todos, age por meio de todos e está em todos. Os filhos de Deus não devem ser tratados diferentemente.

A bênção que um pai dá ao filho é muito além de uma imposição de mãos, cerimônia ou simbolismo. A bênção pra os filhos depende do testemunho dos pais, da sua dedicação ao Senhor, do seu zelo pela Bíblia e pela igreja. Os filhos são muito mais impactados pelo ensino e admoestação cristã do que por cerimônias destituídas de sentido espiritual (Ef 6:4). Com certeza a Bíblia fala de palavras abençoadoras por parte de seus servos (Rm 12:14), mas elas só tem sentido se forem em um contexto de submissão à Palavra do próprio Deus.


CONCLUSÃO

Todo o Antigo Testamento aponta para Jesus e tem Nele o seu cumprimento. Ele cumpriu toda a lei (Mt 5:17). Ele é maior do que todo o cerimonial e o templo (Mt 12:6); maior que os anjos (Hb 1:4-7); maior que Moisés (Hb. 3:2-5); maior que os sacerdotes (Hb 10:21); maior que a páscoa (1 Co 5:7). Ele é um com o Pai (Jo 10:30). Ele nos oferece uma nova aliança, que é infinitamente superior à firmada com Israel (Hb 8:8-13). O altar do qual participamos não têm direito de comer os que ministravam no tabernáculo (Hb 13:10). Quem tem uma experiência com Jesus experimenta o novo (2 Co 5:17); não precisa mais se sujeitar a ordenanças e costumes que eram apenas como sombra do que haveria de vir (Cl 2:17; Hb 8:5). Jesus já veio e Nele tudo subsiste; Ele é antes de todas coisas e em tudo tem a primazia (Cl 1:15-18). Voltar às práticas judaicas antigas é anular o sacrifício de Cristo; é rejeitar a sua graça sem fim (Gl 2:21), é se submeter à escravidão, da qual Jesus já nos libertou (Gl 2:4).

O Apóstolo Paulo pergunta: Aquele, pois, que vos concede a Espírito e que opera milagres entre vós, porventura, o faz pelas obras da lei ou pela pregação da fé? (Gl 3:5). Ele mesmo responde: Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se Ele próprio maldição em nosso lugar (Gl 3:13a). A nossa glória está na cruz de Cristo e não nas cerimônias judaicas (Gl 6:14). Que Deus nos abençoe e nos livre desta prática.



Pr. Luiz César Nunes de Araújo

2 comentários:

Remanescente Fiél disse...

A Primeira vez que a palavra judaizante foi dita,foi por satanás e seus servos,na inquisição romana.

www.adoracaoapsotolica.com

Que Caia a Babilônia.

Yeshua e não outro.

18 julho, 2010
Anônimo disse...

hello espectacular blogue , adorei muito, secalhar poderiamos fcar amigos de blog :) lol!
Tirando as brincadeiras sou o Alex, e assim como tu publico blogs embora o fofo do meu blog é bastante distinto de este....
Eu faço páginas de poker sobre bónus grátis sem arriscares o teu capital......
Gostei muito o que vi escrito!

03 abril, 2011
Ocorreu um erro neste gadget