Mulheres Perseguidas




Freqüentemente as mães da Igreja Perseguida enxugam as lágrimas, escondem o coração contrito e vão à luta pela sobrevivência da família. Elas sabem que, como colunas do lar, precisam ficar de pé.
Nós, irmãos em Cristo, podemos sustentá-las nesse momento com orações e palavras de conforto (cartas). As histórias de vida de algumas delas (resumidas logo abaixo) são enriquecedoras e podem nos ajudar em nossa própria caminhada de fé.




Meskele Dhaba, da Etiópia
O marido dela, o pastor Michael, foi executado por extremistas islâmicos na frente dela e dos filhos porque se recusou a negar Jesus. Uma das crianças, Miriam, com então 12 anos, suplicou pela vida do pai, em vão. Naquele momento Meskele tinha seis filhos, estava grávida de dois meses e precisou sustentar os sogros. "Tento mantê-las ocupadas e as incentivo a brincar com os primos. Mas às vezes elas chegam e perguntam: 'Onde está meu pai? Ele volta logo?'. Tento explicar que o pai morreu, mas é difícil para elas entenderem. Por favor, ore para que meus filhos esqueçam o passado e vivam sem medo", diz ela. A Portas Abertas já fez algumas visitas à viúva e mantém a campanha de cartas de encorajamento .


Vaisha, da Índia
A jovem viúva tem quatro filhos pequenos para cuidar. O marido dela, Ramesh Vasuniya, de 28 anos, recebeu um tiro nas costas no dia 2 de julho de 2007 de um policial que zombou da fé cristã do casal. Ela estava com ele no momento do atentado. A Portas Abertas realiza uma campanha de cartas de encorajamento para ela.


Semse Aydin, uma das viúvas de Malatya, na Turquia
“Não foi fácil dizer ‘eu perdôo os assassinos’. Para ser honesta, meu coração está quebrado e sinto a minha vida quebrada. Eu realmente amei Necati. Ele era o amor de minha vida, meu amigo mais íntimo. Mas há alguém que eu amo mais, que é Jesus. Só por causa disto, posso agüentar tudo isto", diz Semse Aydin, que teve o marido morto em 18 de abril de 2007 com requintes de crueldade ao lado de outros dois cristãos em uma editora de livros em Malatya. O proprietário do lugar onde ela morava cancelou o contrato de aluguel depois de saber do assassinato . Recentemente, ela ouviu da pequena Esther, de 6 anos: “Mamãe, eu sinto tanta falta do meu pai... Jesus não vai devolvê-lo para nós?". A família continua sofrendo ameaças, tentativas de agressão e atentado.


Ghenet Gebremariam, Meslale Abraham e Alganshe Tsagay, da Eritréia
Ghenet Gebremariam foi presa em 9 de maio de 2006 com duas outras mulheres cristãs, Meslale Abraham e Alganshe Tsagay. Dois dias depois, seu filho de seis meses, que estava doente, morreu. Ela recebeu a notícia na cadeia. Os guardas, ao perceberem o desespero dela, decidiram libertá-la. Mas as duas outras mulheres, também mães de filhos pequenos, continuam presas sob a acusação de "testemunharem ativamente Cristo" aos moradores da cidade.


Pauline Ayyad, da Palestina
Pauline Ayyad perdeu o marido, Rami Ayyad, gerente da Sociedade Bíblica de Gaza, aos cinco meses de gestação. No dia 4 de fevereiro de 2008, ela teve uma linda e saudável menina, a quem deu o nome de "Sama", que significa "céu", porque o pai dela está no céu. Depois do atentado, Pauline foi levada para outra cidade, mas fez questão de voltar para Gaza, às vésperas de ter o bebê. Pouco depois do retorno dela para casa, a situação em Gaza piorou drasticamente e trouxe muita preocupação, principalmente porque em algumas ocasiões há falta de luz, água e medicamentos nos hospitais. Felizmente tudo correu bem antes e depois do parto. "Deus foi fiel em todos os momentos", disse ela ao receber a visita do Irmão André, fundador da Portas Abertas .


Shiromi, do Sri Lanka
Shiromi Samson, de 31 anos, sofreu um atentado a tiros junto com o marido enquanto voltava para casa, após jantar com amigos. Seu marido, o pastor Neil Samson Edirisinghe, do Sri Lanka, morreu. Ela permaneceu alguns dias na UTI. Hoje Shiromi tem pela frente as seqüelas físicas do atentado e a missão de cuidar do pequeno filho de dois anos, que assistiu ao ataque e entrou em estado de choque.



do site:
www.portasabertas.org.br

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget